Tudo Sobre a Técnica

  • O que é Micropigmentação Capilar?

É um tipo de dermopigmentação na regão do couro cabeludo para camuflar falhas causadas pela falta de cabelos.

  • O que é Dermopigmentação?

É o nome que se dá para qualquer tipo de implante de pigmentos na camada subepidérmica da pele com auxilio de agulhas, para ornamentar ou corrigir esteticamente. Os exemplos mais popular de dermopigmentação são: a tatuagem, a maquiagem definitiva e a dermopigmentação paramédica (auxilo à medicina).

Mais recentemente conhecemos a dermopigmentação para camuflar a calvície através da Micropigmentação capilar.

Cada técnica exige habilidade e material diferenciado, apropriado para o fim que se destina.

  • Qual é o material usado na Micropigmentação Capilar?

Em qualquer tipo de procedimento de dermopigmentação, ou seja, técnica que usa o implante de pigmentos a nível subepidérmico (na pele) para fins corretivos ou estéticos, os materiais usados, como as tintas, pigmentos e agulhas, deverão ser todos específicos, apropriados e autorizados pela ANVISA e Ministério da Saúde (veja imagem com recorte da lei). No Brasil temos uma legislação que regulamenta o material usado em dermopigmentação, proibindo o uso de outros que não estejam na relação dos autorizados, na realização de qualquer segmento de procedimento de dermopigmentação – no segmento artístico como na tatuagem, no estético como a maquiagem definitiva e no segmento paramédico como na pigmentação de vitiligo, de cicatrizes e reconstrução de aréola mamária, assim como nos procedimentos para calvície realizados na região do couro cabeludo à exemplo da Micropigmentação Capilar.

“Entenda melhor – Tinta é o que vem no frasco e que está disponível ao dermopigmentador para compra nas lojas especializadas, a tinta é usada para realizar a dermopigmentação e o Pigmento é a substancia que dá a cor à tinta. A tinta tem em sua composição: Pigmento e Diluente”

Na regulamentação do material temos algumas marcas de tintas autorizadas para uso no Brasil, entre elas temos tintas importadas e nacionais (Brasil), são tintas similares em sua base, ou seja, todas usam os mesmos pigmentos, autorizados pela ANVISA, para dar cor à tinta, as tintas mudam apenas na diluição (no rotulo dos frascos das tintas temos as iniciais “CI” e em seguida temos um número  que corresponde ao pigmento usado naquela tinta). Em dermopigmentação tradicionalmente é usado dois tipos de pigmentos para fabricar as tintas: Os sintéticos e os de oxido de ferro

“Não acredite em anúncios que dizem ter micro agulhas e super tintas e pigmentos próprios para pigmentação Capilar, em quem diz ter tinta da Europa especiais com características únicas, mesmo se houvesse uma tinta europeia regulamentada pela Anvisa, ela teria a mesma base. Tinta da Europa ou de qualquer outro lugar do mundo quando usada no Brasil se não for regulamentada pela Anvisa e Ministério da Saúde, é ilegal e sua saúde estará em risco com o uso deste material. Atualmente existe uma indústria criminosa, que visa somente tomar o seu dinheiro às custas de mentiras e enganações e o pior de tudo, com resultados desastrosos na pele das vítimas”

  • Quais são as  tintas, pigmentos e agulhas usados na Micropigmentação Capilar? São os mesmos da tatuagem?

AS TINTAS E PIGMENTOS – São próprios para a dermopigmentação, autorizadas pela ANVISA e Ministério da Saúde, fazendo parte de uma linha de tintas para uso na área estética e paramédica da dermopigmentação e não da tatuagem. No caso da Micropigmentação Capilar, a tinta deve ser personalizada e individual, exigindo que sejam preparadas separadamente para cada procedimento dependendo das caracteristicas de cada indivíduo como cores da pele, dos cabelos e da técnica pretendida, devem ser preparadas através de colorimetria (mistura de cores) e diluição com uso de solventes apropriados. Nas clínicas, obrigatoriamente, os frascos  das tintas deverão estar com rótulos visíveis, com o número de registro na ANVISA, data de validade e devem ser esterilizadas por Raio Gama na fabricação (origem). No Brasil é lei e obrigatório o uso das tintas autorizadas para a prática de dermopigmentação, sendo elas as melhores do mundo e dentro da rígida inspeção dos órgãos de saúde brasileiros que visam proteger a saúde de quem se submete aos procedimentos de males que materiais não autorizados podem causar. São exigidos inúmeros testes laboratoriais para garantir a segurança desse material à venda, que devem ser hipoalergênicos e esterilizados em sua origem, são exigidos inclusive testes que detectam se existe algum risco de causar algum tipo de câncer. As tintas que passam pelos testes estão livres da possibilidade de provocar qualquer tipo de câncer, inclusive o de pele.

AS AGULHAS – Dessa mesma forma as agulhas estão disponíveis à venda em lojas especializadas de materiais para dermopigmentação, onde encontram-se em conjuntos com diversos números de agulhas agrupadas e dispostas em formatos diferentes e com ogivas (pontas) com números diferentes (mais finas e mais grossas). As agulhas usadas também deveram ser autorizada pela ANVISA e são disponibilizadas para venda ao dermopigmentador esterilizadas, em envelopes que devem ter impresso o número de registro na ANVISA, data de esterilização e de validade. Elas deveram ser abertas e descartadas ao final do uso, na presença da pessoa que está se submetendo ao procedimento.

Um mesmo fabricante produz agulhas com características variadas direcionadas para executar a tatuagem, a maquiagem definitiva e dermopigmentação paramédica. Cabe ao profissional a escolha do conjunto e número de agulhas a ser usado na técnica que desenvolve e o resultado pretendido dependerá da escolha certa dessas agulhas.

  • Quanto tempo dura a Micropigmentação Capilar?

O clareamento do pigmento está diretamente ligado à técnica usada, ou seja, à profundidade e densidade da tinta depositada, às atividades fisiológicas experimentadas pela derme ligados à renovação dérmica, à fagocitose,  às características de cada indivíduo (oleosidade, derme espessa…) e aos resultados de estímulos externos causados por irradiação de raio ultravioletas (sol), produtos de uso tópico, caspa, seborreia e outros.

Sendo assim não poderemos ser preciso na expectativa de vida útil desse procedimento que poderá durar de 2 a 8 anos dependendo da técnica usada e das características de cada indivíduo.

Ela clareia de forma gradativa e às vezes permitem uma adaptação no corte (mais baixo) para poder prolongar o uso, adiando a manutenção. O pigmento não sai totalmente de uma só vez. As técnicas onde se usa uma pigmentação mais densa e escura, durante o processo de clareamento poderá mostrar tonalidades mais claras, sendo imprevisível saber a hora que necessitará uma intervenção de reforço em uma nova etapa, que em alguns raros casos poderá ser até antes de 2 anos.

(na finalidade de auxiliar os que se deparam com a necessidade de manutenção do procedimento antes dos 2 anos, a Clínica tem preços reduzidos em quase 50 % para até dois anos e meio após realizar o procedimento).

Essa data é referente a uma possível data que haverá necessidade de renovação. Não quer dizer que este pigmento nas estará mais em sua pele, provavelmente ainda haverá resíduos de pigmentos em sua derme. Não conte com a saída total desse pigmento na data estipulada, ela só serve como um marco de uma possível necessidade de renovação por clareamento. Para retirar por total esse resto de pigmento que sobrar caso você queira ou seja necessário, terá que contar com a ajuda de técnicas como laser, sendo a dermopigmentação usada somente para clareamento e renovação da técnica.

 

  • A Micropigmentação Capilar é igual uma tatuagem ?

O processo de implante de pigmento na camada dérmica ou subepidérmica, com o uso de agulhas, é chamado de Pigmentação Intradérmica (a legislação no Brasil usa o nome “Pigmentação Artificial Permanente da Pele”). Atualmente esse processo é usado em várias áreas, em procedimentos que visam o embelezamento, ornamento ou correção estética. Destes procedimentos o mais conhecido e popular é a tatuagem, que representa o segmento artístico da pigmentação. Também temos a maquiagem “definitiva” ou “permanente” no segmento estético e as correções de cicatrizes, manchas e vitiligo no segmento paramédico (=auxílio à medicina).

Recentemente, através da mídia, conhecemos a dermopigmentação executada na região do couro cabeludo, com destaque à Micropigmentação Capilar, processo criado por Elan Mello. Temos na Micropigmentação Capilar a união das 3 áreas: artística, estética e paramédica, por exigir talento artístico para, literalmente, desenhar cabelos na cabeça de indivíduos que procuram aprimorar sua estética e muitas vezes auxiliando à medicina (paramédica) em cirurgias, complementando os transplantes de cabelo ou camuflando cicatrizes herdadas em cirurgias. Elan foi o primeiro – executando a mais de 8 anos por ele – a mostrar no planeta um procedimento onde se implantava tinta na camada epidérmica da região do couro cabeludo, para tratar e camuflar a calvície em qualquer estagio, para qualquer tamanho e qualquer cor de cabelos. (veja o vídeo no You Tube, com data de publicação mais antiga da internet, onde Elan Mello mostra em 1ª mão e apresenta para o Brasil a Micropigmentação Capilar em entrevista na Band).

Vale a pena frisar, Micropigmentação Capilar é o nome do método, que Elan Mello criou, para o implante de pigmentos na região do couro cabeludo, que trata e camufla a calvície. Vemos hoje um numero cada vez maior de pessoas que por falta de informação ou por agirem de “má fé”, usam o nome da técnica de Elan Mello, a prova que fomos nós quem batizamos a técnica com esse nome é que o dominio, endereço na internet,  WWW.MICROPIGMENTAÇÃOCAPILAR.COM.BR é nosso e foi registrado quando criamos esse nome.

 O termo técnico correto que deveriam adotar e usar seria “dermopigmentação do couro cabeludo” ou “micropigmentação do couro cabeludo” . Também poderiam criar um outro nome para seus métodos e registrarem. Os métodos que temos hoje na invasão de ofertas na internet nada tem a ver com o nosso método de dermopigmentação no couro cabeludo, a Micropigmentação Capilar.